Circular do cordão: o bode expiatório perfeito

             Nesse escreverei sobre a verdade obsessão e a desculpa mais esfarrapada na     obstretricia ” moderna”: circulares de cordão  ao nascer (cordão umbilical em volta do pescoço). O conteúdo deste post é baseado em uma revisão de literatura que realizei.

Por que e como os bebês tem cordão no pescoço

A presença de uma circular de cordão é uma ocorrência muito comum durante o parto. Cerca de um terço de todos os bebês nascem com o cordão umbilical em volta do pescoço. Como e quando o cordão umbilical enrola no  pescoço  vai ser diferente para os bebês individuais. Curiosamente, é mais comum com  bebês do sexo masculino- talvez porque eles são mais propensos a ter cordão longos, também se torna mais comum com  a idade gestacional crescente,  se uma circular de cordão não ocorre durante a gravidez, pode ocorrer durante o trabalho de parto. Como o bebê se move através da pelve da mae, ele pode girar o cordão em volta de seu pescoço.

Um bode expiatório versátil

O cordão umbilical tornou-se o bode expiatório perfeito, porque estabelece a culpa no processo fisiológico e não na equipe médica. O resultado é que o medo do cordão umbilical está incorporado em nossa cultura. Sempre que leio uma história sobre parto inesperado  fora do hospital, ele sempre parece envolver um cordão umbilical. A história sobre como sorte o bebê teve de sobreviver aos perigos de um cordão umbilical longe dos especialistas que podem gerenciar uma complicação. Além disso, já ouvi histórias de parto, onde muitas das complicações foram injustamente atribuída a presença de um cordão umbilical.

Antes de abordar alguns dos mitos – um rápida de anatomia e fisiologia:

O cordão umbilical é projetado para ser usado ao redor do pescoço, sem causar um problema. O cordão umbilical está envolvido por uma substância gelatinosa,  geleia de Wharton . Isso protege os três vasos sanguíneos, duas artérias e uma veia. O cordão umbilical tem o comprimento  suficiente (55 cm em média) para dar um volta confortavelmente no pescoço  e ainda sobra cordão umbilical .

Gravidez

Não há nenhuma pesquisa para apoiar a idéia de que o cordão umbilical é associado com mortes de bebês  durante a gravidez. Infelizmente, alguns bebês  morreram antes do trabalho de parto começar. Muitas vezes não há razão conhecida para essa fatalidade. Quando esses bebês nascem muitas vezes são encontradas circulares de cordão em volta de seu pescoço (como um terceiro de todos os bebês). Embora eu possa compreender a necessidade de encontrar uma razão e para escolher o óbvio, eu não acho que isso é útil a longo prazo. Os pais precisam de respostas honestas sobre a perda de seu bebê, mesmo que a resposta é ‘não sabemos’.

Trabalho de parto

Durante o trabalho de parto  uma circular cordão não pode causar qualquer problema. O bebê não está “esforcando” com o  cordão, pois o pacote completo – fundo  do útero, placenta e cordão estão se movendo para baixo juntos com o bebê. No entanto, quando uma cesárea é feito por “sofrimento fetal” ou “falta de progresso” durante o parto, a presença de um cordão umbilical é usado frequentemente como a razão … “ah olhar ha, – o bebê estava estressado porque tinha cordão enrolado no seu pescoço ” ou … o cordão  impediu dele descer “. É improvável que o cordão umbilical tenha alguma coisa a ver com o stress ou a falta de progressão. É muito provável que outras intervenções realizadas durante o trabalho de parto levou ao cenário final (por exemplo, o uso de ocitocina e / ou “falha de esperar»).

Nascimento (a última parte do trabalho de parto)

 cordão umbilical permanece em torno do pescoço do bebê quando sua cabeça se move para fora do útero e pela vagina. Normalmente, o  cordão umbilical continua solto. Uma circular solta não causa quaisquer problemas. O sangue continua a fluir através dos vasos, assim como fez durante a gravidez eo parto.

Ocasionalmente torna-se o cordão umbilical esticado e apertado durante esta última parte do trabalho – quando a cabeça nasce ou quando o cordão umbilical está preso contra a pelve pelo corpo do bebê. Isto pode acontecer com um cordão umbilical mais curto do que a média  ou se é enrolado em volta do pescoço mais vezes. No entanto, o bebê não está “estrangulado”, porque ele não está respirando oxigênio. Seu oxigénio é fornecido pelo cordão umbilical, e não as vias aéreas. Enquanto o cordão umbilical está esticadao e comprimindo os vasos sanguíneos transfere um pouco menos de sangue. Isso resulta em curto prazo hipóxia (suprimento reduzido de oxigênio), que se normaliza uma vez que o cordão umbilical é solto após o nascimento e cheio de sangue. Esses bebês podem chegar um pouco comprometidos, mas recuperam rapidamente  com o corte tardio cordão umbilical. Infelizmente, o modo em que a situação é administrada (ver abaixo) pode criar problemas adicionais. Consequente necessidade de ressuscitação é então atribuído ao cordão umbilical e não o que foi feito a ele pelo prestador de cuidados.

Riscos associados com aperto e corte do cordão umbilical

Uma vez que o cordão umbilical é clampeado, o fluxo de sangue entre o bebê e a placenta cessa, reduzindo o volume de sangue ao bebé e o suprimento de oxigênio. Isso faz com que a reanimacao seja mais necessária e difícil, uma vez que o bebê nasce. Qualquer atraso no nascimento do bebê (por exemplo, distocia de ombro ) vai aumentar ainda mais o risco de hipóxia. Enquanto espera para nascer o bebê agora não tem suprimento de sangue ao invés de um numero limitado. Houve ações bem sucedidas contra  obstetras nos EUA que  cortavam cordão umbilical antes de distócia de ombro.

Um estudo (Sadan et al. 2007) verificou que, nem o corte nem deixando um cordão umbilical adversamente afeta o resultado para os bebês. No entanto, eles não olharam se cordão umbilical estava apertado e o cordão foi cortado após o nascimento ombro anterior .

Para um bebê com uma circular de cordão a pior coisa que você pode fazer é apertar e cortar!

A verificação de um cordão umbilical

Então, se você não está indo para cortar ou dar loop no cordão, a ligadura de um cordão interfere com o processo fisiológico de nascimento. Ele também reforça a noção de que esta é uma complicação que coloque em risco o nascimento do bebê, em vez de uma situação comum. Dizer que a mulher pare de empurrar e colocar os dedos em sua vagina pode ser incapacitante e dolorosa.

Sugestões

  • Falar com os pais antes do nascimento sobre a possibilidade e normalidade de uma circular.
  • Durante o nascimento não fazer nada.
  • Se o cordão está impedindo que o bebê descendente quando a cabeça nasce (extremamente rara) usar a Manobra de “somersault  ‘(Schorn & Blanco 1991) – veja abaixo.
  • Depois que o bebê nasce, desenrolar o cordão (a família / mãe pode fazer isso).
  • Se o bebê a respiração está comprometida no nascimento incentivar os pais a conversar com seu bebê, enquanto a circulação placentária restabelece o volume normal de sangue e oxigênio para o bebê (não cortar o cordão para remover o bebê para ressuscitação).

 

Manobra de Sommersault

Manobra de Sommersault

Maiores informacoes:

O que os pais precisa saber

Clampeamento

Artigos:Effect of delayed versus early umbilical cord clamping on neonatal outcomes and iron status at 4 months: a randomised controlled trial

Timing of umbilical cord clampling

Late vs eraly clamping of the umbilical cord in full-term neonates

Could early cord clamping harm neonatal stabilisation?

Anúncios

Demos mais um passo para um nascimento baseado em evidência. Obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s